11 de maio de 2011

Tudo que mais quero é não perder a intensidade nos movimentos que sempre fizemos sem ser preciso esforço. Como amar sem o dizer. Não dito por palavras, mas sim e acima de tudo por movimentos, gestos, simples, mas nossos. É essa a intensidade e particularidade que tínhamos. E quando já não resta nada é nisso que penso e em ti que me agarro e é assim que acabo as conversas completamente apaixonada por ti. - confessou-lhe, a medo.

25 comentários:

mariana disse...

lindo...como sempre!

Maria Filipa disse...

perfeito *

Maria disse...

Luisinha, Luisinha, não comentar torna-se impossível. Culpa das tuas palavras que nos transformam sempre em migalhas e nos tocam na alma como já poucas pessoas o sabem fazer. Ontem não houve sorrisos, ontem fiquei triste.

jo disse...

as palavras ajudam a amar, mas os segredos estão verdadeiramente nos gestos!*

adorei, como sempre!

Janete Conceição disse...

as tuas palavras são tão verdadeiras quanto puras.

Maria disse...

próxima terça, aguardarei luisinha, que tão bem me sabem essas trocas de sorrisos.

Mariana disse...

Deixa-me dizer que adoro as tuas palavras *
Vou continuar a visitar.

♥ marta. disse...

Tu tens um jeito... meu deus!

carina, disse...

adorei (:

ivone silva. disse...

aii. gosto tanto!

Mafalda disse...

Sabes Emmeline, apaixono-me cada vez que te leio*

ana moura disse...

belas palavras

lía disse...

ta lindo! :)

diz-me o nome desta música*

maria disse...

emmeline conta historias tao bem!

Mariana disse...

Tu és fantástica.

Catarina Pinto disse...

escreves sensivelmente bem!

Beatriz Araújo disse...

um miminho para ti http://beatrizaraujo.blogspot.com/2011/05/miminhos.html

Fernanda Hauptmann disse...

gestos simples que mostram a complexidade interiorizada em cada um de nós.

Fernanda Hauptmann disse...

Por sinal, qual o nome dessa música que está tocando aqui?

Dommin disse...

adorei o blog :D estou a seguir*

ana moura disse...

e eu tinha saudades da tua visita, lui

carina, disse...

obrigada ;$

Mariana disse...

Um exagero, talvez... Prefiro pensar nele como se de uma hipérbole se tratasse. Hipérbole essa que aumenta exponencialmente aquilo que acho da tua escrita para que assim possas entender o quão maravilhada fico ao ler o teu blog *

Mariana disse...

Um exagero, talvez... Prefiro pensar nele como se de uma hipérbole se tratasse. Hipérbole essa que aumenta exponencialmente aquilo que acho da tua escrita para que assim possas entender o quão maravilhada fico ao ler o teu blog *

annie disse...

"E quando já não resta nada é nisso que penso e em ti que me agarro e é assim que acabo as conversas completamente apaixonada por ti.", como é que é sequer possível não adorar o teu blogue? *