1 de outubro de 2011

Ter certeza.

Tenho medo. Mas acima disso eu tenho certezas que não se desmoronam. São certezas doces, e frágeis. Porque eu sou frágil. Mas firmes, porque eu tenho a certeza. E ter a certeza é ficar. É esquecer-me do tempo e dos limites que ele nos impõe. Ter certeza é dar-te a mão, segurar-te os braços e sentir os teus lábios como a melhor coisa deste mundo. Sentir os teus olhos a pousar na minha cara, quando adormeces perfeito embalado nas minhas carícias. Ter a certeza é fazermos uma viagem por caminhos infinitos e desconhecidos e ainda assim termos na nossa cabeça o caminho de volta a casa. O coração um do outro. A nossa casa. O que nos une. Mesmo em dias menos quentes, mais nublados... ter a certeza é ver o sol escondido atrás daquelas nuvens tão escuras de vez em quando. Porque ter a certeza não são palavras, são gestos. São toques. São dias, semanas, meses. São o tempo que for preciso. Certeza é lutar. Certeza é querer. Eu encontrei a minha certeza mais bonita de todas. Eu encontrei-te.

9 comentários:

Lu disse...

Ontem quando te vi (e dsclpa nao ter dito olá mas nao reparei à primeira que eras tu) pensei "quem me dera ler um dos textos fofinhos ela, neste momento.". Aqui está ele :)

Lu disse...

Pois, eu so reparei quando ja estava sentada nos "sofas" do Klaus. Ainda pensei ir falar contigo depois mas nao ia ter muito para dizer entao fiquei quieta. lol

joanarocha disse...

ora essa (:

sophia disse...

obrigada querida

Mariana disse...

ai que maravilha tão doce...

Maria disse...

um abraço grande, que nem a tua alma algodão. Como está a ser Viana? Estás bem?

Sara disse...

que doce, Emmeline.

Leandra Cunha disse...

palavras para quê? emme, emme

matilde valentim disse...

tu matas a minha alma. porque comentar os teus textos eu n csg, e dps ainda arranjas destas músicas q rimam tão bem com a leitura. a sério, é tão lindo:)